Chloris Casagrande Justen (1923)

Aos 96 anos, além da reconhecida trajetória cultural e firme desempenho intelectual, é a primeira mulher Presidente da ALP. A Academia de Letras do Paraná que foi fundada em 1935 e Chloris foi a 13ª presidente , atualmente faz parte do conselho .

Curitibana, filha de José Casagrande e de Isaura, levou uma infância despreocupada, cercada de carinho e de esperanças, a correr pela chácara de seus familiares no Cajuru, à cata de borboletas azuis, a surpreender o canto estriduloso das cigarras e a extasiar-se com a luz prateada da lua. Adolescente, aluna exemplar, já demonstrando por essa época sua decidida vocação para as letras, seria a normalista escolhida, após renhido pleito, a oradora da turma, ao término do curso, aplaudida de pé pelos colegas e pela platéia presente ao magno acontecimento social.

Professora, passou a lecionar, ainda muito jovem, por diversos educandários, a eles distribuindo a semente de seu conhecimento profissional. Vice-presidente da Associação de Jornalistas e Escritoras do Brasil, oradora de amplos recursos, sua atuação marcante como administradora se materializou na imponente obra que é a sede do Centro Paranaense Feminino de Cultura, fruto de muito esforço, força de vontade, renúncia, prestígio, habilidade e disciplina, tornando realidade antigo sonho das associadas da instituição. Diretora-geral do Instituto de Educação por sete anos, vice-presidente do Conselho Estadual durante um decênio, pioneira na implantação do Estatuto da Criança e do Adolescente no Paraná e em outros Estados, participou, como conferencista, de inúmeros congressos, seminários e encontros sobre o referido estatuto, ministrando cursos sobre os direitos da criança e do adolescente e a proposta pedagógica da Escola e do Professor. E, ainda, sobre Ética, Direitos Humanos e Direitos da Mulher.

Fundadora do Conselho do Magistério do Paraná, pedagoga, possuidora de vários cursos de especialização no país e no exterior, sua cultura se faz presente também no Centro de Letras do Paraná, na Academia Feminina de Letras, no Instituto Histórico e Geográfico do Paraná, na Sala do Poeta e no Templo das Musas. Ativa participante das sessões acadêmicas, sempre apresentando sugestões e propostas de amplo alcance cultural, é de justiça evidenciar o belíssimo trabalho desenvolvido por nossa acadêmica como presidente da Comissão de História e Geografia do Paraná. Possuidora de diversos títulos honoríficos, dentre eles o de Vulto Emérito de Curitiba, Soroptimista atuante, publicou O Estatuto da Criança e do Adolescente e a Instituição Escolar, o livro de versos Jogo de Luz, as crônicas Conversando Sobre o Soroptimismo, sendo ainda a organizadora das obras Mulheres Escrevem, Com Justiça e Com Afeto e O Soroptimismo em Minha Vida. Na Academia, foi eleita em 9 de dezembro de 1996, com posse no Palácio Avenida, em 20 de maio do ano seguinte

A homenageada especial de 2014 é uma das mais importantes intelectuais do estado: Chloris Casagrande Justen, que é professora desde os dezoito anos, e em poucas pessoas a vocação para o magistério, as letras e a arte manifesta-se tão cedo e de forma tão intensa. Na formatura de sua turma de normalistas foi eleita oradora, e os aplausos confirmaram um talento para a oratória que se confirmaria na vida toda.
Desde jovem lecionou em muitas escolas, com destaque para a Escola Normal do Instituto de Educação do Paraná; após o casamento deixou o magistério oficial quando morou no interior do estado, e nesse período exerceu a função de educadora comunitária de artes e conhecimento. Ao retornar à capital, foi convocada para organizar administrativamente e pedagogicamente a Escola Normal Secundária Henrique Pestallozzi, em São José dos Pinhais. Lecionou em Cursos de Aperfeiçoamento no Instituto de Educação, assumindo diversas atividades culturais e sociais de relevo.

Na atividade administrativa, destacou-se na realização da sede do Centro Paranaense Feminino de Cultura, antigo sonho das participantes da instituição. Diretora-Geral do Instituto de Educação por sete anos, dirigiu sua restauração e as comemorações do Centenário, realizando o I Congresso Nacional de Institutos de Educação do Brasil. Vice-presidente do Conselho Estadual de Educação durante um decênio, pioneira na implantação do Estatuto da Criança e do Adolescente no Paraná e em outros Estados, participou, como conferencista, de inúmeros congressos, seminários e encontros sobre o referido estatuto, ministrando cursos sobre os direitos da criança e do adolescente e a proposta pedagógica da Escola e do Professor. Atuou também em Ética, Direitos Humanos e Direitos da Mulher.

Fundadora do Conselho do Magistério do Paraná, com vários cursos de especialização no país e no exterior, sua cultura se faz presente também no Centro de Letras do Paraná, no Centro Paranaense Feminino de Cultura, onde é Presidente, na Academia Feminina de Letras, no Instituto Histórico e Geográfico do Paraná, na Sala do Poeta e no Templo das Musas. É de justiça evidenciar o belíssimo trabalho que desenvolveu como presidente da Comissão de História e Geografia do Paraná, sendo de sua autoria o anteprojeto da Lei Nº 13.381/01, que determina a obrigatoriedade no sistema estadual, dos conteúdos da História do Paraná nos cursos Fundamental e Médio em todas as disciplinas. Com a finalidade maior da Implantação da Lei, o Projeto “A Academia vai à escola”, sob a sua Coordenação Geral, integra a parceria de vinte e três academias de Letras do Paraná, para um Curso para Formação de Professores de História do Paraná.

Publicou O Estatuto da Criança e do Adolescente e a Instituição Escolar, o livro de poesia Jogo de Luz, as crônicas Conversando Sobre o Soroptimismo, sendo ainda a organizadora das obras Mulheres Escrevem, Com Justiça e Com Afeto I e II, O Soroptimismo em Minha Vida, e é de sua autoria o livro de poesias bilíngue, Essências Transfiguradas.

Post Anterior
Próximo Post

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezoito − nove =