A Praça Miguel Couto –Pracinha do Batel

Autoridades dizem que o objetivo da reforma na Pracinha do Batel foi alcançado e o comércio mantém bom movimento

Numa área de 1970 m², sua construção foi em 1935, este terreno foi doado por herdeiros do Barão do Serro Azul, Sr. Idelfonso Pereira Correia, ao qual foi proprietário rural e político, e maior exportador de erva-mate do Paraná, foi executado durante a Revolução Federalista em 1894, na praça se encontra o busto do Barão do Cerro Azul.

A Praça foi construída em homenagem ao médico, professor, escritor e cientista Miguel Couto, na praça podemos observar um floricultura, uma banca de jornal e revista, uma cafeteria com acesso a WiFi , ponto de taxi.
Para melhorar o transito a prefeitura de Curitiba, cortou a praça ao meio, e criou uma ligação entre as Ruas Carneiro Lobo e Desembarcador Costa Carvalho.

A reforma da Praça Miguel Couto, a Pracinha do Batel, vai completar 13 anos , depois de tanta polêmica envolvendo a obra, quem trabalha no local diz que pouca coisa mudou, pelo menos para os comerciantes. Para os motoristas que circulam na região, segundo a Urbs, a melhora é indiscutível, mas também o fluxo de veículos aumentou por conta das facilidades que a abertura do espaço proporcionou.

Na época o projeto de divisão da Pracinha do Batel causou controvérsias que chegou à Justiça. Um morador do bairro chegou a se postar em frente as máquinas para impedir o início dos trabalhos. Depois de muita confusão e bate-boca, os funcionários da prefeitura recuaram.O Movimento Amigos do Batel moveu uma ação e conseguiu fazer com que as obras fossem paralisadas no mês de junho de 2007. A prefeitura de Curitiba teve de esperar 13 dias até que outra decisão judicial permitisse a retomada do trabalho.

Rafael Xavier Schuartz, coordenador do Movimento Amigos do Batel e um dos principais militantes contrários na época à obra, convicto de que a divisão da praça só foi proposta para atender os interesses comerciais dos empreendedores da construção do um shopping no Batel( Pátio Batel).

 antes da reforma da Pracinha do Batel

Post Anterior
Próximo Post

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quinze + nove =